Livros esquecidos no Grande Méier

Crédito da foto: Deriva dos Livros Errantes

Dezenas de livros, a maioria títulos infantis e juvenis, estarão “esquecidos” em diversas ruas de bairros do Grande Méier de 16 a 19 de setembro de 2017. Quer saber onde? O mapa digital indica os lugares. Quem chegar até as obras encontrará também a segunda edição da fanzine Deriva dos Livros Errantes e um marcador de página.

Essa será a segunda ação direta de distribuição de livros que o projeto Deriva dos Livros Errantes organiza na região. Com o tema A criança e o território de brincar, essa nova edição da iniciativa tem o objetivo de discutir a importância de as crianças estarem presentes nos parques e praças dos bairros, brincando, descobrindo e aprendendo.

O projeto é mantido por um morador da região, que conta com o apoio de amigos e de editoras colaboradoras na doação de livros. Quem quiser ajudar com obras literárias e gibis pode entrar em contato com o Deriva dos Livros Errantes por meio da página do projeto no Facebook (facebook.com/derivadoslivroserrantes), pelo e-mail derivaerrante@gmail.com ou pelo WhatsApp 21 99675-1307.

Anúncios

Era um bom lugar para comprar livros

Arquivo 01-09-16 15 13 18

A notícia me pegou de surpresa enquanto eu rascunhava um texto sobre a falta de lugares onde comprar livros no Méier. É uma pena, mas por aqui nunca soubemos o que é ter uma grande livraria perto de casa.

No romance Deuses americanos, Neil Gaiman escreve que “uma cidade não é uma cidade sem uma livraria”. “Podem até chamá-la de cidade”, ele diz, “mas se não tiver uma livraria, estarão apenas enganando suas almas”.

Restrinjo mais: acho que todo bairro merece ter uma boa livraria. Mas aqui na região do Grande Méier as Saraivas mais próximas ficam no NorteShopping. São duas, uma ex-Siciliano e uma megastore. Travessa e Cultura não chegaram. O Nova América já teve uma Nobel e hoje tem uma Leitura. Faz tempo que não vou lá, mas achava apenas ok.

Nunca entendi essa ausência de livrarias no bairro. Será que realmente não há demanda? Ou nenhum empresário nunca nem mesmo verificou isso, talvez por não acreditar que livros interessem ao subúrbio? Engraçado que outro dia passei por um vendedor ambulante que estava lendo Nietzsche na calçada.

Há algum tempo, quem vinha quebrando um enorme galho no quesito livros era o Panno, uma loja de jornais e revistas que, desde que me lembro, sempre esteve no Shopping do Méier. Durante um breve período, eles chegaram a ter também uma livraria onde hoje funciona o laboratório Sérgio Franco, na rua Dias da Cruz. Depois levaram os livros para a loja na entrada do shopping e, atualmente, mantinham um acervo muito bom, apesar do pouco espaço. Cerca de dois meses atrás, comprei lá Vozes de Tchernóbil, da jornalista e escritora bielorrussa e Nobel de Literatura Svetlana Aleksiévitch. Um livro muito bonito e triste, construído com relatos de pessoas que tiveram a vida atingida pelo desastre nuclear de abril de 1986.

Estava escrevendo sobre a sorte de ter um lugar onde comprar bons livros no bairro quando fui surpreendida pela tal notícia que mencionei no início. Infelizmente, por conta de divergências com as novas diretrizes do shopping, o Panno fechou as portas. Passei em frente a loja ontem pela manhã e já não estava mais aberta. Era certamente o maior e mais tradicional jornaleiro do Méier. Há alguns dias, uma faixa informa que eles se mudaram para a banca de jornais perto da Parmê.

Minha última visita ao Panno foi no sábado. Dei a tradicional olhada nas revistas e nos livros. Escolhi a coletânea que reúne todos os contos da Clarice Lispector, editada pelo biógrafo dela, Benjamin Moser, para comprar como despedida. É um capítulo da história do bairro que acaba. Voltamos à estaca zero no assunto onde comprar livros.

Vinte e Quatro de Maio

Outro dia escrevi aqui sobre Lima Barreto. Volto a ele porque hoje é 24 de maio, e a rua Vinte e Quatro de Maio foi o primeiro destino do escritor no Grande Méier. Quando o pai dele enlouqueceu, em outubro de 1902, a família deixou a Ilha do Governador para se instalar no número 223 dessa rua. No ano seguinte, Lima Barreto, seus irmãos e o pai se transferiram para Todos os Santos.

A Vinte e Quatro de Maio tem esse nome em referência a um episódio da Guerra do Paraguai: a vitória do Brasil na Batalha do Tuiuti. Nos dias de hoje, a rua liga o bairro de São Francisco Xavier, na altura do largo Subtenente Manoel Henrique Rabelo, ao Méier, na rua Dias da Cruz. No passado, ela testemunhou o início do turfe no Rio de Janeiro. Quase no final dos anos 1840, o Club de Corridas, uma sociedade anônima, adquiriu um terreno alagadiço, entre São Franciso Xavier e Benfica, onde instalou o Prado Fluminense, o primeiro hipódromo da cidade. Ele foi inaugurado na década seguinte, no começo da Vinte e Quatro de Maio, perto da futura Estação de São Francisco Xavier.

Naquele tempo, a Vinte e Quatro de Maio não tinha a extensão atual. A rua, que resultou da fusão das ruas da Estação, do Leite e Gonçalves, terminava no início da Barão do Bom Retiro. Por iniciativa de Pereira Passos, foi prolongada até alcançar o início da Dias da Cruz. Paralela à linha do trem, a Vinte e Quatro de Maio é uma das principais vias de acesso ao Méier e um dos pontos críticos do bairro, pela má conservação, pelo trânsito constantemente engarrafado e pelos episódios de violência.

O Méier se despede de um morador apaixonado

Bem vindos ao Grande Méier - peqHá quase dez anos, talvez, meu pai comentou comigo que havia comprado para a minha mãe, no jornaleiro Panno, um livro sobre o Méier. Perguntei se ele poderia comprar um para mim também, mas não havia mais exemplares à venda. Pedi, então, o da minha mãe emprestado, e a verdade é que até hoje não o devolvi.

No meu garimpo de informações sobre o bairro, esse livro me ajudou bastante, porque resgata detalhes de um passado que eu não vi. Chama-se Bem-vindos ao Grande Méier – História, memória e vivência, e foi escrito por Josepha Barbosa Soares e Wilson Pereira Soares, um casal em permanente estado de encantamento pelo bairro.

Um episódio ilustra bem o envolvimento de Josepha e Wilson com o Méier. Em 2 de fevereiro de 2002, eles descerraram uma placa em homenagem a Augusto Duque Estrada Meyer, o Camarista Meyer, em uma área na confluência das ruas Dias da Cruz, Camarista Méier e Barão de Santo Ângelo. A instalação da placa foi um pedido do casal ao Departamento Geral de Patrimônio Cultural da prefeitura. O desejo deles era preservar a memória daquele que emprestou seu sobrenome ao bairro. O Camarista Méier foi camareiro do Paço Imperial, comendador e subdelegado da Freguesia de Inhaúma e sua família era dona das terras que deram origem ao Méier e a bairros vizinhos. A estação ferroviária do Méier foi construída graças à doação dessas terras, o que também possibilitou a abertura de várias ruas na área.

Essas informações sobre o camarista constam da placa que, sinceramente, não sei se permanece no local onde foi instalada.

Nunca conheci pessoalmente o senhor Wilson nem a senhora Josepha, mas as lembranças que eles compartilharam em seu livro me fizeram conhecer mais o meu bairro. O senhor Wilson viveu o Méier e o no Méier por mais de 80 anos, até o seu falecimento, esta semana. O bairro perdeu um morador apaixonado.